O Rei do Brega


O GARÇOM DO REI


Nós temos o privilégio de ter na MPB quatro reis: Roberto Carlos – nosso eterno rei da música romântica; Raul Seixas – o rei do rock (temos também Rita Lee – a rainha do rock); Luís Gonzaga – o rei do baião; e temos o rei do brega: Reginaldo Rossi.

Ele já ganhou 14 discos de ouro, 02 de platina (mais um de platina duplo) e 01 disco de diamante. Na sua carreira, gravou na Chantecler, CBS, EMI, Polydisc, Sony Music, Continental, Records, dentre outras. É adorado por todas as classes sociais, lotando as casas por onde passa. Faz 25 shows por mês, já havendo superlotado vários lugares famosos, como o Metropolitan – RJ e Olímpia – SP. Com mais de 45 anos de trabalho, já emplacou vários sucessos, tais como O Pão, Deixa de Banca, Tô Doidão, Mon Amour, Meu Bem, Ma Femme, Garçom e A Raposa e as Uvas.

Garçom

Reginaldo Rossi

Composição : Reginaldo Rossi

Garçom! Aqui!
Nessa mesa de bar
Você já cansou de escutar
Centenas de casos de amor…

Garçom!
No bar todo mundo é igual
Meu caso é mais um, é banal
Mas preste atenção por favor…

Refrão:

Saiba que o meu grande amor
Hoje vai se casar
Mandou uma carta pra me avisar
Deixou em pedaços meu coração…

E pra matar a tristeza
Só mesa de bar
Quero tomar todas
Vou me embriagar
Se eu pegar no sono
Me deite no chão!…

Garçom! Eu sei!
Eu estou enchendo o saco
Mas todo bebum fica chato
Valente, e tem toda a razão…

Garçom! Mas eu!
Eu só quero chorar
Eu vou minha conta pagar
Por isso eu lhe peço atenção…
Saiba que o meu grande amor
Hoje vai se casar
Mandou uma carta pra me avisar
Deixou em pedaços meu coração…

E prá matar a tristeza
Só mesa de bar
Quero tomar todas
Vou me embriagar
Se eu pegar no sono
Me deite no chão!…

Repete o refrão.

O bar funciona com um divã, ambiente de terapia para o cliente, que na verdade é um paciente do garçom amigo. Mesmo estando em lugar público, ele faz desse lugar intrusivo sua catarse, isto é, ali está para desaguar  com palavras suas dores e mágoas. Movido pela força etílica, encontra, no ombro do seu atendente, a pessoa amiga que lhe dá atenção.

A bebida, para quem está carente, é um processo de fuga da realidade, daquilo que está massacrando seu dia a dia. Naquele confessionário, a pessoa se liberta, falando sobre o mal que a aflige.

Talvez o ambiente com pouca luz e público não seja o melhor lugar para se fazer uma terapia. Sessão realizada quase sempre em locais fechados e privados, mas é justamente no bar que muitos homens, e agora também inúmeras mulheres, resolvem suas crises, derramando seus corações a um ouvido atencioso e paciente.

No bar, as pessoas se igualam, sem distinção de rico ou pobre. Pagar para sorver uns tragos é muito acessível, e o garçom dá trato igual a todos que acedem a seu ambiente de trabalho, independentemente se a intenção é rir, chorar ou desabafar.

Ser abandonado por um grande amor não é fácil, principalmente sem entender a real motivação, apenas recebendo uma carta de despedida.

Ninguém na verdade deseja ser o protagonista desta história triste de amor, mas já aconteceu milhares de vezes na vida de muitos homens e mulheres pelo mundo afora.

Cenas como esta do contexto da música de Reginaldo Rossi estarão sempre presentes enquanto houver relacionamento humano. Abandonar e ser abandonado faz parte do risco de se apaixonar, e é isso que move os corações.

Análise da música feita por José Maria Cavalcanti

Se você gostou da análise, deixe seu COMENTÁRIO!

Clique aqui: http://bollog.wordpress.com/2011/05/29/o-rei-do-brega/#comments

 

Roberta Miranda também arrasou cantando o maior sucesso do Rei do Brega!

Não deixe de escutar o que pensa Diego Moraes sobre a música brega e sua belíssima interpretação em “ÍDOLOS”!

About these ads