Poesia

CANTINHO POÉTICO

Todas as poesias desta página são de autoria de José Maria Cavalcanti

Criador do Blog do Bollog.


TRADUÇÃO

Ver o brilho do teu sorriso

Esconder-se no lindo olhar

És sensível como uma flor

És misteriosa como o mar

                                             Às vezes és tristeza e dor

                                              Noutra és carinho e amor

                                              Em tudo és preciosa, bela

                                             Grande mulher se revela

Como tesouro escondido

Dos olhos não do coração

Tens em tudo um sentido

És a mais linda tradução!

Autor: José Maria Cavalcanti

Com o olhar derramamos nossos melhores sentimentos, e o outro, em sintonia, capta tais sensações, traduzindo a linguagem que vem do coração.

Com sensibilidade é possível a melhor tradução do conteúdo codificado pelo brilho do olhar, que ilumina toda a expressão do rosto. A pessoa se despe em sua alma, revelando o que se sente. E assim se dá o desvendar da misteriosa mensagem sem palavras, mas cheia de significado.

Pessoas especiais carregam um tesouro dentro delas. Um manancial de sentimentos que enriquece o outro e que fortalece a relação. Através dos olhos, conseguimos mergulhar em profundos labirintos internos, saindo daquilo que está apenas na superfície para desfrutar do paraíso.

DESPEDIDA


Longas cãs desfraldam no adeus

Lágrima a rolar no triste sorriso

Chora, mãe, este é o teu paraíso

Não queres perder os filhos teus

                                                       Vai e dá-lhe um beijo com amor

                                                      Como teu último e terno abraço

                                                      Ainda não partiu está no terraço

                                                      Corre compartilha com ele a dor

Pra ele és única nesta curta hora

E na terra, não há mais ninguém

Pedestal onde se ajoelha e adora

                                                          Não chores mais, ele te implora

                                                          Pois só quer ser feliz com quem

                                                          Deu-lhe a vida, padece e chora!

                                                                                                                           

                                                              Autor: José Maria Cavalcanti


RUAZINHA

Simples de um lado só

A rua de chão de terra

Longe do olhar a serra

Ali o rio e a casa da vó

                                 Roupas secam no varal

                                No tal mover do vento

                                O galo canta no quintal

                                E tudo passa bem lento

Debaixo do jaboticabal

Belas páginas eu lendo

O mais belo sol matinal

Em um dia de setembro

Autor: José Maria Cavalcanti


FINGE A DOR

O poeta a sua dor não sente.

Seu amor não é como fonte de mel.

Ao tecer seus versos, da saudade mente.

E sua lágrima é falsa tinta que escorre no papel.

Inventivo, joga com palavras, atira sentimentos ao léu.

Constrói sonhos, vive a brincar na terra com o que Deus uniu no céu.

Autor: José Maria Cavalcanti

REDINHA DO AMOR

Mulher é como uma flor

Brilha ao céu, bela flutua

Redinha a praia do amor

Sob o belo clarão da lua

                                            Leve a brisa toca a alma

                                            Atrai os desejos, aninha

                                           Envolve o corpo acalma

                                            Ninho de amor Redinha

Banha os corpos ao mar

E o tempo deixar correr

Unidos numa rede amar

Juntinhos sonhar e viver

                                            Nestes versos um sonho

                                           Desenhado num arrebol

                                           Ouve um cantar risonho

                                         No nascer, no pôr do sol

     Que cenário, tal beleza

     Noite estrela escuridão

     Sem lugar para tristeza

     Nem o canto da solidão

Autor: José Maria Cavalcanti

SANTA CRUZ SAUDOSA

Lembro-me de ti, querida

O teu recanto ainda seduz

No teu passado, a guarida

Minha saudosa Santa Cruz

                                      As promessas no Cruzeiro

                                     A busca no caminho da fé

                                       E o bom fiel no seu rezeiro

                                       Subia naquele morro a pé

E na sombra da mangueira

Vendiam-se as ervas e mel

Ao som que vinha da feira

Escutar ao violão o cordel

                                        Boas pescas no Rio Inharé

                                          Brincar na água dar marola

                                         Tomar um sorvete e picolé

                                          Soltar pipa e até jogar bola

Como era bom esse tempo

Aquele namoro escondido

De juras lançadas ao vento

Nosso amor correspondido

                                      Era muito amasso no clube

                                      Ficar com o broto era legal

                                      Depois  fugas para o açude

                                       O amor nas escuras ao luau

Comer pipocas na pracinha

A calçada era a nossa praia

Piscar pra ela que gracinha

Seu requebrar de minissaia

                                                 Minha namoradinha: Anita

                                                 Bailes e festas de carnavais

                                                 E quermesses de Santa Rita

                                                 Esse tempo não volta mais

                             

                                                Autor: José Maria Cavalcanti

CAIS TRISTE

Um afeto que se desfez inexiste

Não pode palavra dar dimensão

Quem poderá descrever solidão

Bisca solta que se prende ao nó

Preso, calo meu canto de ser só

Oh, secura, vinde verde pros meus olhos!

Na tua mais completa exatidão.

Oh, doçura, água ardente vem me matar,

Em tuas forcas cordas de violão.

E exilado, náufrago vive coração

Acalento triste, dura sofreguidão

Cifra verso branco numa nota dó

Sina é morte que sobrevive a pó

Oh, mistura, vida inversa e cantos de esquinas!

Oh, fortuna, fina gardênia exalam tuas meninas!

Tua ribeira perdeu o veio das minas

Num cais triste quinda muitos fascina

Em água doce, banhos de carências

Resgata alegre, aromas e essências

Mitiga quem se olvida de vida sofrida

E quem não chorou uma vez na vida

Diga lá canto de esquina,

Traz de volta tua menina.

Mar de medo me faz amar.

Autor: José Maria Cavalcanti

Luz da Lua

Brilho da Lua

Tira teu véu da noite, nua

Como flutua

No meio da rua

Vem parar o tempo, perpetua

A tristeza de uma dor tão crua

Com o sofrer, quem se habitua

Até outro amor cair na sua

Vem, menina, deusa da rua

Vem, caminha, te insinua

Indolente, envolvente, como a lua

Vem flutuar no meu céu, nua

Vem, deusa da rua

Autor: José Maria Cavalcanti

NOITE FELIZ


Cidade pequeninha

Na igreja todos a rezar

À praça, solitária andorinha

Todos à espera, e o galo a cantar

No altar, presépio e o Jesus Menino

Beatos, devotos, e irmãos felizes a orar

Nosso Deus, que é o senhor de nosso destino

Lá no alto, sorridente, feliz escuta o velho sino tocar

Calor humano, fraternidade, que até nem parecia ser frio

Mãos se apertavam, braços se abraçavam, e era tudo bom demais

Energia contagiante. Os fiéis debaixo da nave principal qual ninguém viu

Tudo era tocante naquela noite de Natal que poderiam sempre viver em paz

Autor: José Maria Cavalcanti

SER POETA

Ser poeta é um sofrer sem dimensão

É se guardar no quarto da solidão

E poder traduzir com exatidão

O doer que aflige o coração.

Autor: José Maria Cavalcanti

LIBERTANDO SONHOS

Ser prisioneiro é ver morrer os sonhos fugazes, que em vão buscam liberdade.

Aprisionado nas teias da dama da noite, que tece o destino dos embriagados,

é um viver delirante, que dá passos trôpegos, numa valsa interminável.

E, nesses braços mórbidos, caminha-se pelos jardins da morte.

Autor: José Maria Cavalcanti

DAR TEMPO E RECOMEÇAR

Quando a alma sonha demasiado, e se perde nas brumas,
Cega é a visão, e deturpados são os pensamentos.
O tempo cura e sara nossas feridas.
Acarinha o braço consolador,
Nele se dará reencontro.
Acalma em paz

Autor: José Maria Cavalcanti

OFÍCIO DE POETA


CORTA VERBOS A FIO DA ESPADA

PÕE VERSOS NA FORMA MÉTRICA

E A INSPIRAÇÃO DE MADRUGADA

SOPRA MUSICALIDADE, ESTÉTICA

                                                                  NA FOLHA BRANCA A FINA TINTA

                                                                  DANDO VIDA A LINHA DO SONETO

                                                                  FAZ-LHE DOER ATRAÇÃO EXTINTA

                                                                  PAIXÃO QUE MATA QUAL CIANETO

E NO MOVER DO TOQUE DO AMOR

O DELEITE DA ALMA EM SOLIDÃO

NÃO QUER RIMAR PRAZER E DOR

PARA NÃO JUDIAR SEU CORAÇÃO

                                                                        COM ARTE ESTANCA SEU SOFRER

                                                                      DETER PENA, O AMOR NÃO QUER

                                                                       SEMPRE ALGUÉM PRA ESQUECER

                                                                        NOS BRAÇOS DE OUTRA MULHER

  Autor: José Maria Cavalcanti

DESCAMINHOS

Caminho errante

Desencontrado percorro

Cada passo é um avanço trôpego

Num mover de pouca força, resto do viço

Que o tempo roubou no enveredar do meu destino

Autor: José Maria Cavalcanti

TRIBUTO À ENFERMEIRA


Cuidado terno, dia a dia ofertar

Em árduo trabalho profissional

Assim é a enfermeira a se doar

No exercício do amor fraternal

                                                              Pros leitos corre na enfermaria

                                                               Com fé, o coração a esperançar

                                                               Ensina no aguardar com alegria

                                                               A cura que se está por alcançar

No colo a criança tem o consolo

À mãe consagra todo seu cuidar

Com seu sorriso e com o renovo

Ao pai corre, nova vida anunciar

                                                                Sempre de branco o anjo-menina

                                                               A tua nobre sina é servir e ajudar

                                                              Prestas socorro, és paramedicina

                                                               Com o coração sempre trabalhar!


                                                                  Autor: José Maria Cavalcanti

Minha homenagem à linda Fortaleza dos Reis Magos, que ganhou uma iluminação especial, destancando mais seu formato de estrela. Vista do alto da belíssima ponte estaiada Newton Navarro, que liga a Praia do Forte com a Praia da Redinha, pode-se vislumbrar mais ainda sua beleza.

Quando estive no Museu das Reduções em Amarantina/MG, pertinho de Ouro Preto, tive o privilégio de contemplar a primeira arquitetura de Natal em escala reduzida, nas suas exatas proporções.  Nosso forte foi também escolhido pelos irmãos Vilhena, mentores e realizadores do “Projeto Nossas Grandes Obras”, para fazer parte do acervo que ostenta os principais monumentos históricos do Brasil – a história de quatro séculos de arquitetura brasileira.

FORMATO DE ESTRELA


Não só para conter a fúria do mar

Mas também ganância e violência

Erguida uma fortaleza à preamar

Um marco de grandeza e ciência

                                                            Testemunhando da sereia o canto

                                                           E como dá gosto sua beleza vê-la

                                                            Lá do alto visual de puro encanto

                                                           Veio do céu no formato de estrela

Colosso ao sol e ao soprar da brisa

Lançada à praia, a pedra inaugural

Feita da rocha, o marco concretiza

Prima-dona da arquitetura de Natal

                                                     Autor: José Maria Cavalcanti

Como o historiador e folclorista potiguar Luís da Câmara Cascudo descreveu o Forte dos Reis Magos:

O forte se erguia, a setecentos e cinquenta metros da barra, em cima do arrecife, ilhado nas marés altas. É lugar melhor e mais lógico, anunciando e defendendo a cidade futura. A planta é do jesuíta Gaspar de Samperes, que fora mestre nas traças de engenharia, na Espanha e Flandres. É a forma clássica do forte marítimo, afetando o modelo do polígono estrelado. O tenalhão abica para o norte, mirando a barra, com os dois salientes. No final, a gola termina por dois baluartes. O da destra, na curvatura, oculta o portão, entrada única, ainda defendida por um cofre de franqueamento, para quatro atiradores e, sobrepostos à cortina ou gola, os caminhos de ronda e uma banqueta de mosquetaria. Com sessenta e quatro metros de comprimento, perímetro de duzentos e quarenta, frente e gola de sessenta metros, o forte artilhava-se de maneira irrepreensível. Atiraria por canhoneiras e a mosquetaria pela gola em seteira no cofre ou de visada na banqueta. A artilharia principal atirava à barbeta. (CÂMARA CASCUDO, Luís da. História da Cidade do Natal).

  • A Fortaleza da Barra do Rio Grande serviu como sede da administração da Capitania do Rio Grande, residência do Capitão-mor, Comando Militar, Quartel de Tropas e refúgio dos moradores;
  • Entre as atrações do Museu do Forte, destaca-se um marco do descobrimento do Brasil;
  • Os visitantes são recebidos, à entrada, pela imagem dos Reis Magos Gaspar, Belquior e Baltasar, doada por Portugal (1750-1777);
  • Os 400 anos da fortaleza foram comemorados pela Empresa dos Correios e Telégrafos com uma bonita emissão filatélica ;
  • A fortaleza foi um dos cinquenta monumentos brasileiros candidatos à Eleição da Sete Maravilhas do Brasil, não obtendo classificação;
  • A fortaleza foi uma das eleitas do concurso da revista Caras: “Sete Maravilhas do Brasil”.
O Forte dos Reis Magos – Maquete em 3D
A história do Forte dos Reis Magos – Professor Diógenes da Cunha Lima – Presidente da Academia de Letras do RN

Viva São João


No céu bandeiras e balão

Que noite mais linda

E tão bem-vinda

Viva São João!

A fogueira no terreiro

O arraiá na terra de chão

Também de traje típico, o sanfoneiro

Toca e canta: – Viva São João!

Na barraca: canjica, pamonha e pipoca

As crianças arteiras soltam traque e rojão

Outras de rosto pintado comem paçoca

E gritam: – Viva São João!

A quadrilha ritmada

Casais dançam de mão em mão

A festa segue muito alegre e animada

Regada com vinho e quentão

Depois da simpatia

Fazem adivinhação

Caindo todos na folia

Em coro saúdam: – Viva São João!

Autor: José Maria Cavalcanti

BALLET – ARTE, BELEZA E LEVEZA

Esquecendo a origem francesa, quando o famoso balé russo Ballet Bolshoi começou, a capital ainda era Leningrado, e ainda hoje seus bailarinos e bailarinas continuam a nos brindar com arte, leveza e beleza. Tal companhia tem no Brasil uma escola, em Joinville, Santa Catarina, para que daqui surjam mais dançarinas do naipe de Ana Botafogo (solista do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e do Teatro Guaíra, no Rio Grande do Sul) e da nova estrela internacional brasileira, Mayara Magri, que interpretará O Cisne Negro em Nova York, seguindo depois para o Royal Ballet School, em Londres, na Inglaterra.

Ana Botafogo

BAILARINA

Tão feliz é a sua dança

Emociona-se, com a alma sente

Move o corpo, ao ar se lança

Rodopia alegremente

Flerta com o novo passo

Linda coreografia descreve

Solta ou amparada pelo braço

Voa como pluma leve

Atenta à música, ao som

Ela linda flutua e se inclina

Saber encantar é o seu dom

Vida ao palco, bailarina

Autor José Maria Cavalcanti

Lucinha Lins – A Bailarina

Lago dos Cisnes

HOMENAGEM À PROFESSORA

Do saber, ela é a promotora

Seu trabalho, nobre missão

E a tão dedicada professora

Doa-se, não espera gratidão

                                                  Singelo trabalho a doutrinar

                                                 Com habilidade e insistência

                                                  Tem na sua tarefa de ensinar

                                                 Conquistando pela paciência

Buscando do saber iluminar

Alunos adultos e as crianças

Com o amor, alegre lecionar

Com prazer, ela não se cansa

                                                     Para infância ensina a cantar

                                                    E os pequenos traz pela mão

                                                    Na linda imagem o estampar

                                                   Carrego impressa no coração

José Maria Cavalcanti fez esta poesia para homenagear sua filha, que é profissional do ensino. Especialmente neste dia, lembra de sua mãe, Dona Francisquinha, a primeira mestra da família, além das irmãs, primas e sobrinhas, todas excelentes professoras.

SER CRIANÇA

  No mesmo céu azul

Inda hoje minha alma flutua

Vejo um menino no puxar do carretel

De norte a sul

No alto, risca a noite a lua

E um pequenino brincando com papel

Fazendo escarcéu, cabelos ao vento

Sorriso no ar, olhar cor de mel

Criança não vê passar o tempo

A galope lento esse corcel

Traz com  aroma e fragrância

Os quintais da minha infância

Autor José Maria Cavalcanti

A ALMA DAS CORDAS

CÉU ESTRELADO, LUA CHEIA

DE CAVACO, VIOLA E VIOLÃO

NA BOCA A ALMA INCENDEIA

FERE AS CORDAS A SOLIDÃO

NA CAIXA ACÚSTICA O SOM

UM  BELO CANTO SE ENTOA

A NOTA VIBRA AO AR ECOA

O ARTISTA A DAR SEU DOM

DEDILHA COM  DIVINA MÃO

BATE FUNDO NAS BORDAS

COM A MENTE, O CORAÇÃO

TOCA A  ALMA DAS CORDAS

Autor José Maria Cavalcanti

Se você gostou da poesia, deixe um COMENTÁRIO!

Clique aqui:  https://bollog.wordpress.com/2012/01/08/toque-de-cordas/#comments

Minha homenagem ao violonista e compositor brasileiro Rafael Rabello

LAVADEIRAS

Agachadas no beiral

Lavam ao sol ou relento

E roupas voam no varal

Como pipas ao vento

Na água bolas de sabão

Panos na pedra a quarar

Dor e bolhas na mão

Água nos olhos a minar

Quão sofrido esse penar

Um viver de servidão

Não se pode a alma lavar

Só espremer o coração

Autor José Maria Cavalcanti

Elza Soares

Lavadeiras do Rio Jequitinhonha

Anúncios