Poesia

tempestade

VELA

no velejar

de forte vento

lá se foi pescar

céu um breu sem luz

 o coração num tormento

e a alma agarrada em uma cruz

na fúria doce, qual um mar

a vela é como uma toca

quase a se afundar

agita a pororoca

e o toco de vela

pouco iluminar

irada procela

quer ceifar

vida vela

Autor José Maria Cavalcanti

Anúncios